English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quarta-feira, abril 20, 2016

CPI do Assassinato de Jovens vai apresentar relatório final em audiência pública

Foi aprovado nesta terça-feira (12/04), pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga o assassinato de jovens, requerimento que prevê a realização de audiência no próximo dia 26 de abril para apresentar o relatório dos trabalhos da Comissão.

Para a audiência do dia 26 serão convidados integrantes de instituições que participaram dos debates durante as investigações da CPI. Para acompanhar a apresentação do relatório serão convidados ministros de Estado; o procurador-geral da República, Rodrigo Janot; representantes de entidades de defesa dos direitos dos jovens, dos negros, das mulheres, professores, jornalistas e familiares de jovens assassinados.

A presidente da CPI, Lídice da Mata, acredita que o relator vai apontar caminhos para fortalecer as políticas públicas que buscam a prevenção da violência, além de propor medidas para rever os autos de resistência, descriminalizar drogas leves e combater o tráfico de drogas.

O senador Lindbergh Farias destaca que o Brasil é um dos países com indicadores mais elevados de homicídios de jovens, figurando como recordista no mapa mundial da violência. Uma das conclusões da CPI é a ausência de dados qualificados para que seja possível realizar um diagnóstico preciso da situação e propor medidas efetivas de enfrentamento do problema.

A CPI do Assassinato de Jovens foi instalada em maio de 2015. Desde então, realizou 29 audiências públicas e reuniu mais de 200 especialistas, acadêmicos, organizações da sociedade civil, parlamentares, órgãos públicos e familiares de vítimas para discutir o tema.