English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sábado, abril 23, 2016

PIS/Pasep tem R$ 2,5 bi para saque

Pagamento está disponível até 30 de junho para 2,4 milhões de trabalhadores, 211,4 mil só no Rio

O Dia
Rio - Mais 2,4 milhões de trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos ainda não sacaram o abono salarial do PIS/Pasep em todo o país, referente ao calendário de pagamento do ano passado. De acordo com o Ministério do Trabalho e Previdência Social, são mais de R$ 2,1 bilhões disponíveis para saque nas agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil. No Estado do Rio, são 211,4 mil pessoas com direito a receber o valor de R$ 880.
A pasta alertou que se os recursos não forem retirados até 30 de junho, retornarão para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Para tentar evitar que isso ocorra, o ministério informou que enviará correspondências para a casa dos trabalhadores que ainda não receberam. As cartas vão informar sobre o prazo de saque. Quem é servidor público recebe no BB. Trabalhador privado, na Caixa.
“Pretendemos alcançar com o envio das comunicações aproximadamente 1,2 milhão de beneficiários que estão com os endereços válidos na base de dados”, explicou ontem o coordenador do Seguro-Desemprego e Abono Salarial, Márcio Ubiratan Brito.
Os recursos não forem retirados pelos trabalhadores até 30 de junho, retornarão para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
Foto: Banco de imagens
BALANÇO
Balanço divulgado ontem pelo ministério, dos 23,5 milhões de trabalhadores com direito ao abono do PIS/Pasep, 21 milhões receberam o benefício, totalizando R$17,5 bilhões já pagos. 
O número de trabalhadores da Região Sudeste é o maior entre os que ainda não sacaram com 1,2 milhão de beneficiados. Deste total, 776 mil estão em São Paulo. Os demais estão nas regiões Sul (463 mil), Nordeste (310 mil), Centro-Oeste (203 mil) e Norte (158 mil).
Têm direito ao abono, os cadastrados no programa do PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, com remuneração mensal média de até dois mínimos durante o ano-base de atribuição do benefício e que exerceram atividade remunerada durante pelo menos 30 dias.
A partir de julho, começam a ser pagos benefícios de 2016. Não há confirmação de como vai ocorrer a liberação nesse período, se por meio de calendário tradicional de seis meses ou de nove meses.
VEJA COMO SACAR
Antes de sacar o PIS na Caixa, o trabalhador deve ver se o benefício não foi depositado em conta. Do contrário, precisa levar o Cartão do Cidadão e usar senha cadastrada nos terminais de autoatendimento da Caixa Econômica Federal ou em um casa lotérica.
Se não tiver o cartão, o trabalhador pode receber o abono em qualquer agência da Caixa, apresentando documento de identificação.
Os servidores públicos que participam do Pasep, após se certificarem se houve o depósito em conta no Banco do Brasil, podem procurar uma a agência e apresentar documento de identidade.
As informações sobre o direito ao saque também podem ser obtidas pela Central de Atendimento Alô Trabalho — 158; pelo 0800-7260207, da Caixa; e pelo 0800 7290001, do Banco do Brasil.
O Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) são contribuições sociais de natureza tributária, devidas pelas pessoas jurídicas, com objetivo de financiar o pagamento do Seguro-Desemprego e Abono Salarial.
Mais de 100 mil vagas fechadas
O Brasil teve a maior perda de vagas formais para os meses de março em 25 anos, segundo dados divulgados ontem pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência. Foram fechados 118.776 postos com carteira assinada.
Nos últimos 12 meses foram suprimidas 1.853.076 vagas formais. Os números consideram a diferença entre demissões e contratações. A maioria dos setores da economia demitiu mais do que contratou. A exceção foi a administração pública, com 4,3 mil vagas a mais no mês.
O comércio e a indústria de transformação fecharam o maior número, respectivamente, 41.978 e 24.856. Em terceiro lugar, vem a construção civil, com supressão de 24.184 vagas.
Os estados que mais fecharam postos foram São Paulo (-32.616 vagas), Rio (-13.741) e Pernambuco (-11.383). Apenas quatro contrataram mais que demitiram: Rio Grande do Sul (4.803 vagas), Goiás (3.331), Roraima (220) e Mato Grosso do Sul (187 postos).http://odia.ig.com.br/economia/2016-04-23/pispasep-tem-r-25-bi-para-saque.html