English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sexta-feira, abril 29, 2016

Vereadores de Barra Mansa questionam presidente do Fundo Municipal de Saúde


Durante o comparecimento do presidente do Fundo, chegou à Câmara a notícia da detenção de funcionário da Saúde.
O presidente do Fundo Municipal de Saúde e subsecretário de Saúde, Carlos Antônio Bonfim, compareceu à Câmara de Barra Mansa, na quinta-feira, 28 de abril. O comparecimento do presidente atende à convocação da casa legislativa para prestar esclarecimentos acerca dos investimentos e recursos da Secretária de Saúde.
Em sua apresentação, Bonfim demonstrou que, mesmo com o recurso crescente da Saúde, a secretaria possui um déficit mensal de R$193 mil. De acordo com Bonfim, a Secretaria trabalha para diminuir este déficit através de emendas parlamentares, créditos adicionais, estudos de precificação das organizações sociais e de supressão de contratos, além da busca pelo pagamento de débitos do Estado. O presidente ressaltou que o Estado tem uma dívida de R$10 milhões, referente a repasses que não são realizados desde o ano passado.  O vereador Christiano Alves Vieira afirmou que é importante esclarecer à população que o débito do Estado prejudica a aquisição de medicamentos.
O vereador Luiz Furlani, autor do requerimento de convocação do presidente, informou que a gravação da sessão seria enviada ao Ministério Público Federal e Estadual, para instrução de inquéritos em andamento. Entre as questões levantadas pelo vereador, foi perguntado ao presidente do Fundo Municipal de Saúde se tinha conhecimento de que em 2014 foi utilizada verba da Saúde (R$4milhões)  para pagamento de 13º de salários de funcionários da Prefeitura, conforme questionamento do Ministério Público. Carlos Antônio Bonfim afirmou não ter conhecimento desta medida, por ter assumido a presidência do fundo há três meses. O presidente da Câmara, vereador José Luiz Vaneli, afirmou que a Câmara oficiará a Secretaria de Saúde para informar sobre este questionamento. O vereador Luiz Furlani questionou, ainda, ao presidente do fundo sobre sua função na organização social que já prestou serviço na Secretaria de Saúde em Barra Mansa.
-O senhor acha legal e moral ter sido diretor de uma OS que tem dinheiro de Barra Mansa bloqueado em suas contas e agora assumir uma função pública na Secretaria de Saúde da cidade?-questionou Furlani.
Carlos Antônio Bonfim respondeu que era um empregado da organização social, sem poder de decisão.
-Eu fui diretor administrativo do instituto, sob caráter de subordinação. Não constava em ata de poderes e muito menos em seu conselho de administração,. Na verdade, eu, como todos do município de Barra Mansa, fui surpreendido pelas notícias da situação a qual o senhor se refere. Lembrando, também, que fui convocado aqui para falar sobre execução orçamentária, mas respondo outras questões sem problema algum – afirmou Bonfim.
O presidente da Câmara lembrou ao subsecretário de Saúde que, como agente público, não pode se recusar a responder a questionamentos sobre o cargo que ocupa e a Secretaria de Saúde. O vereador Rodrigo Drable arguiu ao presidente do fundo sobre a competência para ocupar a função, tendo em vista não ser médico, conforme determinação legal.
-A lei que criou o Fundo Municipal de Saúde é muito clara quando ela diz que o presidente do fundo tem que ser médico e é o secretário de saúde. Esta função é indelegável e só poderia ser alterada por outra lei. Então, eu gostaria de fazer aqui o registro que a sua função de responder como presidente do fundo é incongruente com a lei, ela está de forma ilegal –salientou Rodrigo, que ainda solicitou o processo de qualificação e contrato da OS Osmipes.
Os vereadores Rodrigo e Marcelo Borges questionaram ao presidente se o fundo tem solicitado a apresentação de certidões negativas trabalhistas e fiscais antes do pagamento das organizações sociais-OS-. O presidente afirmou que teve o cuidado de pedir à OS Geração e Semelhantes a certidão fiscal, mas que verificaria a situação de suas certidões negativas trabalhistas.
Os vereadores questionaram sobre o controle da entrada e saída de medicamentos da Secretaria de Saúde. Carlos Antônio Bonfim afirmou que em determinadas circunstâncias os medicamentos são entregues diretamente aos postos de saúde e não distribuídos através do almoxarifado da secretaria.
O presidente da Câmara, José Luiz Vaneli, ressaltou as denúncias que existem sobre a falta de controle dos medicamentos na secretaria de saúde.
-Me passa uma tristeza tão grande quando o senhor diz que os rumos da saúde tem que ser revistos, não por sua culpa, que está lá há três meses, mas pelo fato do prefeito ter escolhido a pessoa de sua maior confiança, no caso seu irmão, para comandar a saúde e agora, ao final do mandato, o senhor vem dizer que aquilo tudo tem que ser consertado. Porque com essa desorganização quem sofre é o povo. A gente sabe que a secretaria não tem como provar onde foram entregues todos os medicamentos porque não teve acompanhamento. Ao meu entendimento, o medicamento deve ser entregue no almoxarifado da Secretaria de Saúde e na Farmácia Municipal e então serem distribuídos aos postos de saúde. Por exemplo, recebemos denúncias que ficaram guardados no quartel medicamentos vencidos. Por que a prefeitura escondeu estes medicamentos? Se eles estão vencidos que se dê baixa de forma legal, utilizando os procedimentos corretos. Peço que encaminhe a esta casa a destinação destes medicamentos vencidos e o processo que foi aberto pra fazer a incineração destes medicamentos Precisamos lutar todos os dias para aumentar a transparência sobre a coisa pública seja aqui na Câmara, seja na Secretaria de saúde – afirmou Vaneli.
O vereador Rodirgo Drable comunicou aos presentes que recebeu a informação de que um funcionário da Secretaria de Saúde havia sido detido justamente em razão da entrega de medicamentos.
-Esta casa está indo tão bem nas suas indagações e questionamentos quanto à saúde. Acabei de receber a informação que um funcionário da saúde foi detido hoje por peculato na entrada de medicamentos, que não correspondia a 10% do que foi comprado – informou Rodrigo durante a sessão.
Ao confirmar a informação da detenção do funcionário da secretaria de saúde, o vereador Luiz Furlani afirmou que o fato apenas comprova que a Câmara tem a necessidade de instaurar uma comissão de inquérito sobre a Saúde municipal.
O presidente Vicente Carneiro Leão Filho questionou ao presidente do fundo sobre o valor real da reforma da unidade de saúde da Vista Alegre.
-O senhor pode nos informa o custo da reforma da UBS da Vista Alegre? Porque a imprensa divulgou que foi R$100 mil, já na placa da obra consta a quantia de R$75 mil. O posto foi reformado, mas faltam médicos, equipamentos. Antigamente tinha médicos de várias especialidades, aparelhos de raio-x, eletrocardiograma. O cidadão fazia tudo lá. Hoje não tem nada -  indagou Vicentinho.
Novamente, o presidente do fundo alegou que a obra foi realizada antes de ocupar o cargo, portanto, não poderia responder acerca do valor da reforma.