English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

segunda-feira, maio 09, 2016

Bancos vão contratar oito mil no programa jovem aprendiz

Os bancos privados filiados à Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) fecharam um acordo com o MTPS (Ministério do Trabalho e Previdência Social) ampliando de 5% para 7% o percentual de vagas disponíveis no programa Jovem Aprendiz. Serão contratados entre sete mil e oito mil estudantes.
“O Jovem Aprendiz do Setor Bancário é um programa muito relevante para o setor, mas principalmente para os jovens do país, que podem ter contato com uma atividade muito sofisticada, complexa, e que utiliza tecnologia bastante desenvolvida. O programa o permite não só iniciar e dar continuidade à sua carreira dentro dos bancos, mas também que o jovem se qualifique para o mercado de trabalho em geral”, disse Magnus Ribas Apostólico, diretor de relações trabalhistas da Fenaban.
Cada banco faz a própria seleção e a gestão do programa. O contrato é de dois anos e os candidatos devem ter mais de 14 anos de idade e estar na escola. É dada preferência àqueles em situação de maior vulnerabilidade social.
“Contratar um jovem aprendiz significa ampliar a relação do banco com a comunidade e, com isso, ampliar o potencial mútuo de crescimento. Oferecer oportunidade de trabalho a um jovem aprendiz, mais do que mudar a realidade do jovem, é mostrar a todos os demais funcionários bancários a importância da diversidade e o papel do gestor como tutor que ensina um ofício”, disse Apostólico.
O cálculo das vagas para jovem aprendiz leva em conta o total de trabalhadores do banco, excluindo quem tem curso superior e os que atuam em funções que exigem alguma formação específica. A média de contratação após os dois anos de qualificação é de 65%.
Em todas as atividades práticas, os aprendizes serão supervisionados e orientados por funcionários experientes dos bancos. Na condição de aprendizes, eles também têm de participar de cursos teóricos de qualificação profissional.
Alguns bancos privados fazem a seleção dos jovens aprendizes por meio de empresas especializadas como o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola). 
Nos bancos públicos, Caixa Econômico Federal e Banco do Brasil, as vagas nos programas de jovem aprendiz seguem regras específicas e, por conta das regras de contratação apenas por concurso, os jovens não são efetivados após o período de dois anos.
Os contratados no programa Jovem Aprendiz recebem um salário e benefícios. A jornada de trabalho é de seis horas por dia.