English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quarta-feira, maio 18, 2016

Para evitar denúncias, governo diz que fará pente-fino em contratos da Rio-2016

Em sua primeira entrevista desde que assumiu o cargo, o ministro do Esporte Leonardo Picciani (PMDB-RJ), 36, anunciou que fará um pente-fino nos contratos e convênios da pasta, incluindo obras e projetos dos Jogos Olímpicos do Rio, que ocorrerão de 5 a 21 de agosto.
Segundo ele, a análise será feita "o mais urgente possível" e deverá ter a participação de nomes indicados pelo Ministério da Fiscalização,Transparência e Controle, antiga CGU (Controladoria-Geral da União).
O peemedebista explicou que, caso seja constatada alguma irregularidade, serão tomadas medidas legais, mas ponderou que o objetivo é que a iniciativa não afete o ritmo das obras às vésperas do evento internacional, daqui a menos de três meses.
"Pretendo ter muito rigor e se possível que o ordenador de despesas do Ministério do Esporte seja também um servidor indicado pela Controladoria-Geral da União ou por um outro órgão de controle para que o rigor seja intenso", disse.
O novo ministro explicou que a iniciativa é feita por precaução, uma vez que ele pretende seguir na carreira política e, segundo ele próprio, a legislação da Ficha Limpa é "duríssima".
Antes de assumir o ministério do Esporte, Picciani exercia o mandato de deputado federal pelo PMDB do Rio. Ele é aliado do prefeito Eduardo Paes, também do PMDB, um dos principais nomes na organização dos Jogos Olímpicos.
Também é próximo do peemedebista Sérgio Cabral, governador do Rio na época em que a capital do Estado foi escolhida para sediar a Olimpíada, em 2009.


BRASILIA, DF, BRASIL, 17-05-2016, 15h00: O novo ministro dos esportes Leonardo Picciani durante entrevista exclusiva em seu gabinete. Atrás de sua mesa de trabalho, segue na parede o retrato da preseidente afastada Dilma Rousseff, seguindo a orientação do presidente interino Michel Temer de não retirar a foto dos gabinetes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER) ***EXCLUSIVA***
O novo ministro dos esportes Leonardo Picciani durante entrevista exclusiva à FolhaPedro Ladeira/Folhapress
*
Folha - A Operação Lava Jato apontou indícios de corrupção em obras da Copa do Mundo de 2014. O senhor pretende fazer um pente-fino nos contratos e convênios dos Jogos Olímpicos para evitar denúncias semelhantes?
Leonardo Picciani - Eu vou, até por precaução, fazer um pente-fino nos contratos e convênios em andamento no Ministério do Esporte. É um volume grande e será no prazo que a estrutura que temos nos permita fazê-lo, mas evidentemente o mais urgente possível. Isso não significa uma paralisia das ações em andamento, não paralisaremos nenhuma ação em andamento, mas revisaremos, não só pela necessidade de controle, mas também para aprofundar o conhecimento sobre os programas e ações da pasta.
Mas se for constatado algum eventual superfaturamento, qual será a ordem do senhor? Cancelar ou paralisar o contrato ou convênio?
Será tomar as medidas que a lei determina. Sendo identificado qualquer tipo de problema, tomaremos medidas legais, seja por má fé seja por erro que tenha sido tomada uma opção equivocada.
O senhor tomou essa decisão com base em conhecimento prévio de eventual irregularidade?
Foi por precaução. Eu exerço um mandato público e político, a legislação da Ficha Limpa é duríssima e pretendo continuar disputando eleições, portanto tenho cuidado redobrado com a gestão da pasta. Pretendo ter muito rigor e se possível que o ordenador de despesas do Ministério do Esporte seja também um servidor indicado pela Controladoria-Geral da União ou por algum outro órgão de controle, para que o rigor seja intenso.
O senhor não teme que esse pente-fino possa prejudicar o andamento das obras olímpicas?
Não, o controle não se confunde com paralisação. O ideal é que ele funcione com rigidez, mas permitindo que as ações necessárias ocorram no tempo em que elas têm de ocorrer.
Empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato também participam de obras dos Jogos Olímpicos. O senhor acredita que o esquema da Petrobras pode ter sido reproduzido também nas obras olímpicas?
Não tenho condições de fazer essa avaliação. A Operação Lava Jato faz um trabalho importante e a fundo neste tema. Certamente, se ocorreram irregularidades, elas serão apontadas, como estão sendo apontadas em outras áreas.
Como a Olimpíada é a prioridade da pasta, o pente-fino será principalmente nos contratos e convênios relacionados a ela?
Como são os mais volumosos e com mais urgência, evidentemente serão a nossa prioridade. 
http://www1.folha.uol.com.br/esporte/olimpiada-no-rio/2016/05/1772186-para-evitar-denuncias-governo-diz-que-fara-pente-fino-em-contratos-da-rio-2016.shtml