English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quinta-feira, julho 14, 2016

O Futuro da Minha Cidade: Grupo Coordenador discute Mobilidade Urbana



Arquiteto e urbanista Ronaldo Alves apresenta entraves e soluções do tema e incentiva o uso de novos modais
Volta Redonda: 13/07, quarta-feira: O grupo coordenador do projeto “O Futuro da Minha Cidade” recebeu na noite desta terça-feira, dia 12, o arquiteto e urbanista Ronaldo Alves, que falou sobre Mobilidade Urbana. O encontro faz parte do ciclo de palestras com especialistas em áreas estratégicas para o desenvolvimento do município. A reunião ocorreu na sede da Firjan (Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro), no Laranjal, e foi coordenada por Mauro Campos, presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Sul Fluminense (Sinduscon-SF). Nesta semana, o Sindicato das Empresas de Cargas (SulCarj) aderiu ao projeto e representantes da CSN já participaram das reuniões. 
No encontro, Ronaldo Alves apresentou possíveis soluções para enfrentar um problema crônico na cidade: engarrafamentos e excesso de veículo, além do planejamento deficiente de engenharia de trânsito. Para se ter uma ideia, segundo Alves, a cidade tem 2,37 moradores para cada veículo. Ele sugeriu ao grupo que fosse implantados novos modais e o incentivo de locomoção a pé e de bicicleta: “Cabe muito bem em Volta Redonda uma linha do BRT, com já está ocorrendo no Rio de Janeiro, e melhoria no transporte coletivo. Além disso, o incentivo do uso de bicicletas como transporte e a cultura de andar a pé. Além de fazer bem ao meio ambiente e as pessoas, também ajuda desafogar o trânsito”, disse o arquiteto.
Mauro Campos concordou e complementou: “A mobilidade também é fazer com que as pessoas não precisam se locomover grandes distâncias”.
O palestrante também citou projetos que poderiam melhorar o escoamento da produção de empresas e indústrias da cidade. São eles: a duplicação da Serra das Araras, na Via Dutra; melhorias na RJ 155 (Barra Mansa-Angra dos Reis); conexão logística com o porto de Itaguaí e com Sul de Minas Gerais. “São projeto antigos que ainda não saíram do papel”, disse Ronaldo Alves
Grupo coordenador visitará Maringá
O projeto “O Futuro da Minha Cidade” é um projeto idealizado pela Câmara Brasileira das Indústrias da Construção Civil (CBIC), baseado na experiência da cidade de Maringá-PR, por meio do seu Conselho de Desenvolvimento Econômico (CODEM), que tem como finalidade propor e executar política de desenvolvimento econômico, social e planejamento urbano a longo prazo. “Pensar na cidade daqui a 20 anos. O planejamento tem que levar tempo para que a execução seja eficiente”, disse Mauro Campos. 
Pensando nisso, o grupo coordenador estará visitando a cidade do Paraná no dia 5 de agosto. Além deles, irão também na comitiva representantes de entidades empresárias de Barra Mansa.
- “O Futuro da Minha Cidade” começou em Volta Redonda e tem que se estender a outros município e Barra Mansa já está dando o primeiro passo. A ideia do CBIC é criar “O Futuro do Meu Estado” e “O Futuro do Meu País” – disse Mauro Campos.
Em Maringá, o grupo de coordenadores visitará o CODEM, além de obras e ações resultantes do projeto. “Lá, 2% do orçamento é destinado para o projeto. É um exemplo que precisa ser seguido em Volta Redonda”, finalizou Mauro. A próxima reunião do grupo acontecerá no dia 26.
Junto com Sinduscon-SF, Sicomercio e SulCarj, o grupo é formado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-VR), Sindicato das Indústrias da Panificação (Sipacon), Sindicato do Comércio Varejista (Sicomércio), Associação das empresas dos Serviços Contábeis (AESCON), Associação Comercial Industrial e Agropastoril (ACIAP-VR) e Sindicato das Indústrias Metalmecânicas do Médio Paraíba Fluminense (Metalsul) e IFT (Instituto de Fomento Tributário).