English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quarta-feira, novembro 09, 2016

Trump é eleito presidente dos Estados Unidos e vitória gera incerteza

O candidato do Partido Republicano, Donald Trump, venceu as eleições presidenciais nos Estados Unidos, de acordo com os resultados  divulgados nesta quarta-feira. A candidata democrata Hillary Clinton já ligou para Trump e deu os parabéns pela vitória. A informação foi confirmada por ele, em seu primeiro pronunciamento como presidente eleito.
O bilionário Donald Trump foi eleito o novo presidente dos Estados Unidos Efe
Durante a festa da vitória, em Nova York, Trump pediu que a nação se una e prometeu "representar cada cidadão de nossa terra". Ele afirmou, ainda, que será presidente "para todos os americanos" e destacou que "é tempo para a América curar as feridas da divisão" e "tempo para que fiquemos juntos como um". 
Trump enfatizou que sua administração será um momento de "crescimento nacional e renovação". "A América não se contentará mais com nada menos que o melhor". 
Donald Trump foi eleito presidente dos EUA Divulgação
Partido Republicano garante controle do Senado
Candidatos do Partido Republicano conseguiram vitórias na campanha para o Senado e também na da Câmara dos Representantes, o que garante que o presidente eleito Donald Trump começará o mandato com seu partido com total controle do Legislativo. Os senadores democratas, porém, mesmo em minoria, terão algum poder no Senado para negociar com os rivais.
A aliança republicana, além disso, pode ter dificuldades no início, diante das profundas diferenças entre Trump e os líderes republicanos no Congresso. As declarações polêmicas do candidato foram alvo de críticas dos aliados durante a longa e turbulenta campanha presidencial.
O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, e o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, parabenizaram Trump pela vitória no início desta quarta-feira.
Tanto no Senado como na Câmara, os republicanos assumirão em janeiro com margens mais estreitas de vantagem que têm neste ano contra os democratas. Ainda assim, os candidatos das duas Casas tiveram resultados melhores que o esperado.
Após meses de dúvidas sobre se Trump poderia prejudicar os candidatos republicanos ao Senado, a força dele na verdade impulsionou o partido em Estados mais disputados. O senador Ron Johnson, por exemplo, conseguiu a reeleição em Wisconsin, algo que era dado como improvável até as últimas semanas da disputa. O republicano Pat Toomey ainda derrotou a democrata Kati McGinty na Pensilvânia, o que tornou impossível para os oposicionistas garantir a maioria no Senado.
Os republicanos terão pelo menos 52 das 100 cadeiras do Senado no próximo ano, levando-se em conta que o republicano John Kennedy vença uma eleição marcada para dezembro na Louisiana, como esperado. Os democratas precisavam tomar cinco cadeiras dos rivais para retomar a maioria que perderam em 2014.
Com o controle do Legislativo, os republicanos poderão levar adiante seu compromisso de rechaçar a reforma no sistema de saúde e também desmantelar a reformulação no sistema financeiro prevista na lei Dodd-Frank. A última vez que os republicanos controlaram a Câmara e o Senado ocorreu entre 2003 e 2007, no governo de George W. Bush.
O Senado também estará pressionado a confirmar os indicados de Trump para a Suprema Corte, que tem um cargo vago após o magistrado Antonin Scalia morrer em fevereiro.
Ainda assim, os republicanos não terão 60 cadeiras no Senado, patamar necessário para aprovar a maioria das medidas nessa Casa Com isso, republicanos e democratas terão de trabalhar juntos diante da perspectiva de um presidente polarizador e com tensões dentro dos próprios partidos. 
Fortuna
Nascido em 14 de junho de 1946 no bairro nova-iorquino do Queens, Trump é o quarto dos cinco filhos de Fred Trump, um construtor de origem alemã, e Mary MacLeod, uma dona de casa de procedência escocesa. Casou-se em 2005 com Melania Trump. Antes disso, ele foi casado e se divorciou de Maria Trump e Ivana Trump. Com Melania, tem um filho chamado Barron. Com Maria, a filha Tiffany, com quem se reconciliou recentemente, depois de um relacionamento conturbado. Com Ivana, ele tem três filhos, Eric, Ivanka e Donald, que ocupam funções de comando em suas empresas.
Fred Trump morreu aos 93 anos, em 1999, deixando para Donald uma fortuna de US$ 250 milhões. Porém, os biógrafos consideram que Donald Trump já era milionário 20 anos antes, quando iniciou a compra de vários edifícios em Nova York. Essa foi uma fase ascendente da vida do empresário porque ele comprou, em 1983, um antigo prédio que depois se transformou no Trump Tower, e também o Trump Plaza, e vários cassinos em Atlantic City, no estado de Nova Jersey.
Momento de incerteza e possibilidade de guerra comercial com a China
Para o mundo, a vitória de Donald Trump anuncia um clima geopolítico profundamente novo. De Berlim a Pequim, os líderes estão observando se o Trump dará continuidade às promessas populistas e protecionistas que poderiam travar o compromisso global dos Estados Unidos com políticas profundamente estabelecidas a respeito de comércio, defesa e imigração. Se assim for, a política externa dos Estados Unidos provavelmente se distanciará de seu vizinho México, e em direção à inimiga de longa data Rússia.
O antagonismo de Trump em relação aos arranjos de defesa dos EUA apresenta novos riscos para os aliados de Washington na Ásia e na Europa. E sua posição contrária ao livre comércio indica a possibilidade de uma guerra comercial com a China, a segunda maior economia global.
"O tom das relações econômicas entre a China e os Estados Unidos vai mudar da cooperação e da interdependência para a competição e o conflito", disse Shi Yinhong, professor de relações internacionais da Universidade Renmin, em Pequim. O estilo de Trump e a retórica isolacionista também podem dar a Pequim "oportunidades estratégicas para a China explorar", acrescentou
"Trump é uma pessoa pragmática", disse Wang Dong, professor assistente da Escola de Estudos Internacionais da Universidade de Pequim. "Muitas coisas podem ser reavaliadas. Então, do ponto de vista da segurança nacional chinesa, isso é uma coisa boa".
Muitos veem o resultado do voto com apreensão. Na Alemanha, Norbert Röttgen, um legislador influente junto aos democratas-cristãos da chanceler Angela Merkel, advertiu que os EUA poderiam perder seu papel como o eixo da ordem mundial ocidental. "Temos de esperar e ver como ele atuará no cargo", disse Röttgen. "Eu acho que ele ainda não sabe como agir."
Complicações entre Europa e Estados Unidos
O presidente francês, François Hollande, disse recentemente que uma vitória de Trump "complicaria as relações entre a Europa e os EUA".
Futuro muro no México
Na América Latina, o México está se preparando para um presidente que prometeu eliminar acordos comerciais, construir um muro e enviar para casa milhões de imigrantes sem documentos. Cuba também enfrenta novas preocupações, com Trump prometendo desfazer o histórico restabelecimento do presidente Barack Obama dos laços entre Washington e Havana, o que despertou novas esperanças no país para o investimento estrangeiro.
Sentimento de confiança por parte da direita
Nem todo mundo está preocupado. Os políticos de direita em toda a Europa veem a vitória do Trump como uma onda internacional de sentimento de confiança. Futuras vitórias eleitorais da direita europeia, segundo eles, ajudariam a estabelecer uma nova ordem transatlântica baseada na oposição aos acordos comerciais, na imigração e na integração política da União Europeia.
A presidência de Trump "permitirá que a diplomacia francesa se expresse num mundo mais equilibrado, menos dominado pela hegemonia americana", disse Florian Philippot, uma das principais figuras da Frente Nacional, principal partido de direita da França.
O político holandês anti-islã Geert Wilders escreveu em sua página oficial no Twitter após Trump ganhar a disputa na Flórida e em Utah: "As pessoas estão retomando seu país. Como nós iremos".
Britânicos se sentem confortáveis com a vitória de Republicano
Os partidários britânicos de uma ruptura dura com a União Europeia se sentiram confortáveis com a recepção de Trump à causa. Obama deixou claro, antes do voto do Brexit em junho, que o Reino Unido iria para "trás na fila" de um novo acordo comercial com os EUA. Trump disse que um acordo com o Reino Unido seria uma das suas principais prioridades.
Durante meses, os diplomatas da sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Bruxelas têm observado nervosamente Trump. Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, repeliu por três vezes os comentários críticos de Trump sobre a aliança.
Desejo de acabar com o Estado Islâmico e melhores relações com a Rússia
No Oriente Médio, Trump é visto como um defensor do poder militar da América, apesar de seus votos de desvincular-se da região. Seu desejo de derrotar o Estado Islâmico, trabalhando com aliados regionais, tem despertado entre os combates na Síria esperanças de serem armados.
Mas como candidato ele também prometeu melhores relações com a Rússia, que está fortemente empenhada em combater a oposição síria. Autoridades da região se preocupam com qualquer desengajamento dos EUA, que poderá se traduzir em ganhos para a Rússia em lugares como Síria e Turquia Fonte: Dow Jones Newswires.http://odia.ig.com.br/mundoeciencia/2016-11-09/trump-e-eleito-presidente-dos-estados-unidos-e-vitoria-gera-incerteza.html