English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

terça-feira, dezembro 27, 2016

Aberta a temporada de troca de presentes de Natal

Depois da euforia das compras de Natal, chega a semana de trocas dos presentes que não agradaram. Normalmente o tamanho é o grande motivo da mudança; além da cor que não agradou ou um defeito não visto no momento da compra foi encontrado. A troca sem o dano na mercadoria é uma gentileza do lojista, mas se o produto tem algum defeito, então se torna uma obrigação. Roupas e calçados precisam apresentar a etiqueta ou cupom fiscal para serem trocados.
O gerente de um magazine de Barra Mansa, Wilian Borel, diz que a loja não se opõe às trocas de mercadorias. “Geralmente o motivo principal é o tamanho errado. Durante a troca, o cliente procura por outra peça e pode haver diferença para mais no valor, sem contar que pode ainda, comprar alguma outra mercadoria”, avalia Borel.
Outro ponto ressaltado pelo gerente é o prazo para as trocas. “Normalmente damos dez dias para o cliente. Com as festas de final de ano, estendemos esse prazo para 20 dias. Gentileza com o cliente é fundamental”, avalia o gerente.
Quem estava na loja era a dona de casa Maria Aparecida Silva Braga, que aproveitou a segunda-feira para trocar o presente de Natal. “Ganhei uma blusa e ela ficou apertada. Vim aqui e fui prontamente atendida. Se tivesse dinheiro sobrando levaria mais alguma coisa”, relatou.
A proprietária de uma loja de roupas, Rute Borges, informa que a temporada de trocas começou antes mesmo do Natal. “Alguns clientes entregaram o presente antes da data, e quem teve que trocar já o fez antes do dia 25. Nesta semana estamos esperando um volume maior. Desde que tenha a etiqueta, estamos prontos para trocar”, ressalta.
Em lojas de calçados também não foi diferente. “Quase 100% das trocas é por conta do tamanho errado, seguido do modelo que o cliente não gostou muito. Não nos opomos em trocar, desde que esteja sem uso e com a nota fiscal”, destaca o funcionário de uma sapataria da cidade.http://avozdacidade.com/site/noticias/economia/55780/