English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quarta-feira, dezembro 14, 2016

Obras civis do Hospital Regional do Médio Paraíba Dr.ª Zilda Arns serão entregues neste sábado (dia 17)

Neste sábado (dia 17), às 10h, será oficializada a conclusão das obras civis do Hospital Regional do Médio Paraíba Dr.ª Zilda Arns Neumann, construído no bairro Roma, em Volta Redonda, para atender os 12 municípios que compõem o Cismepa (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paraíba) - Volta Redonda, Resende, Rio Claro, Rio das Flores, Barra Mansa, Barra do Pirai, Quatis, Itatiaia, Pirai, Pinheiral, Porto Real, Valença – beneficiando cerca de 1,2 milhão de habitantes.
        A cerimônia irá marcar a entrega das chaves para o Governo do Estado – que irá definir, junto ao Cismepa, como será a forma de gerenciamento do HR - e já foi realizada uma licitação para a operação do Centro de Imagem do hospital, primeira fase da unidade, que deve começar a funcionar em janeiro. O custeio do hospital foi acordado pelo Cismepa com o Ministério da Saúde, cabendo 70% dos custos de manutenção para o Governo Federal e 30% para o Governo do Estado.
        O Hospital Regional do Médio Paraíba Dr.ª Zilda Arns Neumann realizará atendimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) de alta e média complexidade, e terá 229 leitos, sendo 47 de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e 50 de UI (Unidade Intermediária), e um Centro Cirúrgico com seis salas para as cirurgias de alta complexidade. O ambulatório contará com dez consultórios e três salas para pequenas cirurgias e endoscopias. O atendimento será por demanda referenciada para as cirurgias de alta complexidade em neurocirurgia, traumato ortopedia, oftalmologia, cirurgia bariátrica, transplante de rins e de córneas.
        INVESTIMENTO – De acordo com o engenheiro Sebastião Faria, presidente da Comissão de Fiscalização das Obras, o investimento nas obras civis foi de R$ 68 milhões, com recursos do Governo do Estado, e outros R$ 60 milhões serão destinados à compra dos equipamentos e mobiliário, através de licitação pública.
        “Nós estamos construindo um hospital para os próximos 50 anos. É importante destacar que o Cismepa e a Secretaria de Estado de Saúde fizeram um plano de curto, médio e longo prazo para a ocupação gradual da unidade”, ressaltou Faria, que completou: “O objetivo traçado para o HRMP é aumentar a autonomia e a resolutividade na rede pública, nas áreas hospitalar e ambulatorial de média e alta complexidade, que são deficitárias ou inexistentes na região do Médio Paraíba, prestando um atendimento de alta confiabilidade e qualidade”.
        O presidente da Comissão confirmou a informação divulgada pelo prefeito Antônio Francisco Neto, que a obra teve um custo por metro quadrado muito abaixo da média do mercado, mantendo a mesma qualidade. “Uma obra desse porte atualmente tem um custo de R$ 5 a R$ 6 mil por metro quadrado. Nós fizemos por R$ 2,6 mil o metro quadrado, porque ela teve um acompanhamento muito de perto pela Comissão de Fiscalização”, destacou Faria.
        Segundo ele, na construção do hospital foram utilizadas cerca de mil toneladas de aço para a estrutura metálica, e uma grande parte das paredes foi erguida com gesso acartonado (drywall), material isolante térmico e acústico, mas muito mais leve que alvenaria, reduzindo o peso de toda a estrutura e barateando a obra.
        OBRA - A construção do HRMP foi iniciada no final de maio de 2011, após a assinatura de convenio número 004/2010 entre o Estado do Rio de Janeiro e o município de Volta Redonda, em uma área de 54 mil m2, no bairro Roma, ocupando uma área construída de 26,4 mil m2. O seu local estratégico favorece o acesso para os municípios integrantes do Cismepa, e foi escolhido por um Grupo Técnico das prefeituras que estudou a sua implantação e localização.
        A responsável pelo projeto da obra é a arquiteta Cláudia Maria Freitas de Amorin, tendo no desenvolvimento do projeto o apoio das arquitetas Eliane Delgado Ferreira e Carmem Déa dos Santos.
        O HRMP está dentro dos padrões ecológicos de sustentabilidade, com estação própria de tratamento de esgoto, sistema de energia solar para água quente, melhor aproveitamento da luz solar na parte dos corredores, dispensando luzes elétricas, além do uso de lâmpadas leds – o que irá gerar 95% de economia no consumo de energia elétrica - e reuso de águas pluviais para os jardins. O Hospital contará ainda com estacionamento para os visitantes com espaço para 370 veículos.
        O Hospital Regional do Médio Paraíba Dr.ª Zilda Arns Neumann terá na parte ambulatorial de apoio a diagnose e terapia, serviços de imagens –tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética, Raio X, ultrassom, laboratórios de patologia clínica e análises clínicas, hemoterapia, e terapia renal substutiva (ao pé do leito).
        Na Internação, haverá as clínicas de traumato ortopedia (adulto/infantil) com 36 leitos, neurocirurgia (16 leitos), cirurgia bariátrica (oito leitos), cirurgia oftalmológica (quatro leitos), cirurgia geral (12 leitos), clínica médica (28 leitos), pediatria (oito leitos), transplante adulto/infantil (12 leitos), isolamento adulto/infantil (10 leitos), leitos de UTI e UI adulto, pediátrico, e pós cirúrgico (95 leitos), totalizando 229 leitos.
        HOMENAGEM - Na entrega das obras está confirmada a vinda do Dr. Nelson Arns Neumann, filho de Zilda Arns. A confirmação da vinda a Volta Redonda foi feita pela secretária nacional adjunta da Pastoral da Criança, em Curitiba (PR). Zilda Arns era médica pediatra e sanitarista, fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança, criada em 1983, juntamente com o cardeal arcebispo Dom Geraldo Majela Agnello, atendendo pedido da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos Brasileiros). Ela faleceu em 12 de janeiro de 2010, quando fazia trabalho humanitário no Haiti, vítima do terremoto que matou milhares de pessoas no país.