English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quarta-feira, janeiro 11, 2017

Prefeitura de Volta Redonda pretende levar aos bairros atividades culturais e esportivas como forma de prevenção



O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, participou na tarde desta 
quarta-feira, dia 11, da reunião do Conselho Comunitário de Segurança 
Pública de Volta Redonda, que aconteceu no 28º Batalhão da Polícia 
Militar. O encontro reuniu representantes de associações de moradores 
de 12 bairros e das polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal. Na 
ocasião, Samuca afirmou que a prevenção é melhor caminho para evitar o 
aumento da criminalidade. Pensando nisso, ele pretender levar aos 
bairros atividades culturais, esportivas e de lazer.

?Temos que ocupar a mente dos nossos jovens para que eles não se 
envolvam no mundo da criminalidade e dediquem o seu tempo em 
atividades saudáveis. Esse é o melhor caminho?, disse o prefeito, que 
foi acompanhado pelo vice-prefeito Maycon Abrantes, também secretário 
municipal de Ação Social; da secretária municipal de Educação, Rita 
Cássia Oliveira de Andrade; e da secretária da Mulher, Deyse Penna.

O comandante do 28º BPM, tenente-coronel Damião Luiz Portella, relatou 
os problemas estruturais do batalhão de Volta Redonda. ?Não é fácil 
para ninguém trabalhar com dois meses de salários atrasados. O 
diferencial do nosso batalhão é que os polícias e seus familiares são 
moradores da cidade e têm o compromisso ainda maior com a segurança de 
Volta Redonda. Hoje, a segurança pública não é feita só pela PM. 
Precisamos dos órgãos públicos e, principalmente, da sociedade?, 
afirmou o comandante.

Outro que contou os problemas estruturais foi o delegado adjunto da 
93º DP, Marcelo Russo. Segundo ele, na década de 90, a delegacia de 
Volta Redonda havia em torno de 90 policiais e, atualmente, esse 
número não chega a 40. ?A Civil é uma polícia de investigação e 
precisamos de dois fatores: inteligência e informação para elucidarmos 
mais rapidamente os crimes da nossa cidade e a falta de efetivo 
atrapalha?, afirmou o delegado adjunto.