English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Agentes de Saúde de Volta Redonda visitam 6,7 mil casas no Santo Agostinho e adjacências


Campanha de conscientização no bairro foi concluída com a
visita do ‘Dezinho’

Terminou nesta terça-feira, dia 14, a campanha de conscientização 
contra o Aedes aegypti, que teve início na segunda semana de janeiro, 
no bairro Santo Agostinho. A campanha mobilizou também as localidades 
do Morro da Harmonia, Morro da Paz, Morro Caviana, Morro da Conquista, 
Parque São Jorge e Santo Agostinho. Ao todo, os agentes da secretaria 
de Saúde de Volta Redonda realizaram 6,7 mil visitas.
O encerramento da campanha contou com a presença do personagem criado 
pela secretaria estadual de Saúde para a disseminação da importância 
da campanha ‘Dez minutos contra a Dengue’, o Dezinho. A ação foi 
realizada em conjunto com as secretarias municipais de Obras e 
Serviços Públicos; Esporte e Lazer; e Ação Comunitária; além da Guarda 
Municipal e Saae VR (Serviço Autônomo de Água e Esgoto).
O ponto de encontro das equipes de trabalho foi na Unidade Básica de 
Saúde da Família drª Paula Hérica Rocha de Azevedo (Rua Soldado 
Francisco Alves Rocha, 20, Santo Agostinho). Pelo menos 100 pessoas 
estavam envolvidas na ação.
O Dezinho circulou pelo bairro, acompanhado dos agentes de saúde, que 
faziam a distribuição de folders explicativos e orientavam a população 
sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito. Nas ruas e 
calçadas, adultos e crianças paravam para cumprimentar ou tirar fotos 
com o Dezinho. O personagem agradou a população.

“Esse boneco foi uma ideia bem legal sim porque ele chama a atenção de 
todo mundo por onde passa. E a gente acaba parando pra ver o que é e 
fica sabendo da campanha que o pessoal da área de saúde está fazendo. 
Minha filha viu e gostou, por isso eu parei aqui pra conferir”, disse 
o morador Alan Fernando Souza.

Além de distribuir folders explicativos, os agentes de saúde 
orientaram e ajudaram os moradores a colocar nas calçadas todos os 
materiais sem utilidade e que poderiam servir de criadouro do 
mosquito, para que os caminhões fizessem a coleta.
“Toda semana eu separo um tempo para ver se está tudo no lugar, eu 
olho o ralo e confiro as plantas aqui de casa. Eu não tenho nenhuma 
planta com pratinho, porque eu já sei que nesse pratinho o mosquito 
consegue se reproduzir. Eu subo no telhado pra ver se a tampa da caixa 
d’água está bem fechada. Eu não descuido não. Nessa época a gente fica 
temeroso, então tem que ficar alerta. Se cada um fizer a sua parte a 
gente acaba com o mosquito”, relatou o morador e metalúrgico, Ádamo 
Diogenes da Silva.

“Eu faço o que eu posso, eu limpo tudo, não deixo planta com pratinho. 
Eu troco a água dos meus cachorros todo dia. E se eu vejo algum 
potinho na rua com água parada eu jogo fora também, principalmente em 
época de chuva. Essa campanha é importante sim, cada um tem que cuidar 
do seu espaço”, comentou a dona de casa Joana d’Arc do Carmo.

De acordo o primeiro LIRAa (Levantamento de Índice Rápido de 
Infestação por  Aedes Aegypti) realizado em 2017, o bairro Santo 
Agostinho registrou um índice de 4,9%, bem acima da média considerada 
normal.

“Devido ao índice do LIRAa a região do Santo Agostinho foi o ponto de 
partida das principais ações de combate ao mosquito. O nosso objetivo 
aqui é criar a consciência da população, mobilizando a todos para os 
cuidados em acabar com os focos do Aedes Aegypti. O nosso maior 
desafio é colocar no dia-a-dia dos moradores essas questões”, disse a 
coordenadora de Vigilância Ambiental, Janaina Soledad, acrescentando 
que até 3,9% é considerado índice de médio risco, mas o ideal mesmo 
seria índice abaixo de 1%.

A secretária de Saúde de Volta Redonda, Márcia Cury, fez um alerta à 
população. “As ações contra o mosquito da dengue não podem acontecer 
apenas em dias de campanhas. Todos nós devemos ser vigilantes e 
divulgadores das boas práticas de combate ao mosquito. Nós trouxemos o 
boneco ‘Dezinho’ para ilustrar e marcar esse momento de 
conscientização, mas esperamos que cada pessoa vigie diariamente sua 
casa e seu quintal, pois só com a consciência e união de todos vamos 
ser eficazes no combate”, concluiu Márcia.
Por Simone Freitas, com fotos de Geraldo Gonçalves / Ascom VR
(24) 3339-9061