English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Associação de Moradores do Volta Grande IV e MPF são recebidos pelo prefeito de Volta Redonda


Samuca Silva ressalta apoio à população e garante colaboração em processo judicial

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva e os secretários municipais de Saúde, Márcia Cury; e de Meio Ambiente, Alfredo Peixoto, receberam na tarde desta terça-feira, dia 14, na Sala de Reuniões da prefeitura, membros da Associação de Moradores do bairro Volta Grande IV e do Ministério Público Federal.Os moradores perguntaram sobre a reunião realizada na última semana com Companhia Siderúrgica Nacional.  “Ficamos chateados por não termos sido convidados para participar da outra reunião, já que o assunto tanto nos interessa”, disse o diretor de Comunicação da associação, Carlos Renato Almeida da Silva.
O prefeito esclareceu que a reunião com a CSN foi realizada por meio de uma solicitação da empresa e que não foi a prefeitura que havia agendado e convidado os participantes. “No entanto, fico feliz com esse nosso encontro hoje, pois se todas as instituições agirem como vocês e o Ministério Público, com diálogo, nossa administração vai ser cada vez melhor. O diálogo é o melhor caminho para os problemas”, ressaltou o prefeito, afirmando ainda que a posição da prefeitura estar ao lado da população.

“Esperamos que foi apresentado pela CSN esteja correto. Queremos muito que a área esteja sem risco algum à população, mas queremos ter essa certeza e isso só pode acontecer por meio de um laudo confiável”, disse o diretor ambiental da associação, Leonardo Gonçalves.  
O procurador do Ministério Público, Júlio José Araújo Júnior, salientou a importância do diálogo e informou que a reunião no bairro entre a empresa e os moradores foi adiada por causa da forma, interpretada como publicitária, que a CSN está expondo o estudo. “O nome ‘Bairro Seguro’ corresponde a uma visão parcial dos fatos, por isso é sempre temerário que se ouça apenas um dos lados, ainda mais em uma questão sensível”, concluiu Júlio Araújo .