English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sábado, fevereiro 18, 2017

CISMEPA se reúne em Volta Redonda para discutir o funcionamento do Hospital Regional


Sugestão é para que União e Estado custeiem 100% do funcionamento da unidade médica

O Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paraíba (CISMEPA) se reuniu na manhã desta sexta-feira, dia 17, em Volta Redonda, para a prestação de contas do ano de 2016 e discutir o funcionamento do Hospital Regional do Médio Paraíba Zilda Arns. Participaram da reunião os prefeitos de Volta Redonda, Samuca Silva; de Barra Mansa, Rodrigo Drable; de Pinheiral, Ednardo Barbosa; de Resende, Diogo Balieiro; de Valença, Fernando Graça; de Rio Claro, Zé Osmar; de Barra do Pirai, Mário Esteves; de Pirai, Luiz Antônio – que também é presidente do consórcio, e o vice-prefeito de Porto Real, Ailton Marques, além de representantes de Itatiaia e Quatis.  

No encontro, o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, sugeriu que todo o custeio do funcionamento do hospital seja feito pela União e pelo Governo Estadual. "Que a abertura do hospital seja feita de forma planejada e organizada. O custeio tem que ser 100% de governo federal e estadual porque a unidade é regional. Financeiramente, os municípios não têm condições para mantê-lo. Por estar em Volta Redonda, as pessoas me cobram na rua o não funcionamento do Hospital. Elas não sabem que é de responsabilidade de todos", disse Samuca Silva.

Hoje, para manter o hospital na sua capacidade máxima, há necessidade de um recurso mensal de R$ 15 milhões. O Ministério da Saúde, segundo o presidente do Consórcio, está disposto a arcar com 50% do custeio do funcionamento da unidade médica. Porém, não há uma previsão para participação do Governo do Estado.

Para isso, o consórcio marcará uma reunião com o secretário Estadual de Saúde, Luiz Antônio de Souza, o Luizinho, prevista para ocorrer na próxima quinta-feira, dia 23, na cidade de Piraí. A princípio, segundo definiu o consórcio, seria feita apenas os exames de imagem e, em seguida, os de oftalmologia.

Outro ponto abordado por Samuca Silva foi a definição do modelo de gestão e quem comandará a unidade de saúde: “Não escondo de ninguém que defendo uma direção técnica e não política partidária para que a população não seja prejudicada com preferências de atendimentos”, ressaltou o prefeito de Volta Redonda, que foi apoiado pelos demais chefes do Executivo do Sul Fluminense. 

Durante o encontro, o consórcio definiu um prazo até final de março para que todas as ambulâncias do SAMU estejam funcionando no Sul Fluminense. Segundo o consórcio, hoje há 20 veículos, dos quais quatro estão parados. 

“A média de atendimento no ano passado chegou a marca de dois mil, entre remoção em vias públicas, acidentes e atendimento residencial”, disse o presidente do Consórcio Intermunicipal, Luiz Antônio Neves, prefeito de Piraí. Atualmente, a central de atendimento telefônico do SAMU está em Volta Redonda e conta com 98 médicos para atender os municípios, fazendo um plantão de 12 horas, segundo dados do consórcio.