English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

quinta-feira, junho 01, 2017

Banco de alimentos de Volta Redonda completa 10 anos

Banco de alimentos de Volta Redonda completa 10 anos
Prefeitura busca novos parceiros para ampliar o projeto


O Banco de Alimentos de Volta Redonda completa em 2017, 10 anos de existência. É por meio dele que muita gente que depende de uma entidade para realizar suas refeições consegue ter uma alimentação mais saudável e nutricional. Volta Redonda é um dos cinco municípios do estado a manter um banco de alimentos. Os outros são: Mesquita, Niterói, Paty do Alferes e Rio de Janeiro. Ao todo, 26 entidades são beneficiadas com os alimentos manipulados ali, mas poderia ser mais, por isso a prefeitura de Volta Redonda, por meio da secretaria municipal de Ação Comunitária, visa aumentar a quantidade de empresas doadoras.
Atualmente, o Banco de Alimentos recebe a doação de frutas, legumes e verduras (todos em estado de consumação, mas não atraentes para venda) de 12 mercados e 46 pequenos produtores. O trabalho é acompanhado de perto pela nutricionista Cristiane Seabra, que tem orgulho de jamais ter tido algum caso de problema alimentar com as instituições. “Nesses 10 anos de funcionamento, sempre nos preocupamos em fazer a melhor seleção e higienização de todos os produtos, com muito rigor e atenção, pensando nas pessoas que vão receber estes alimentos e esse resultado nos estimula a permanecer trabalhando desta forma”. 
O CONSEA (Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional de Volta Redonda) também acompanha o projeto, que é do Governo Federal, mas administrado pelo poder público municipal. São cerca de 12 toneladas de alimentos doados todo mês, em razão do calor ou pela simples manipulação da carga e manuseio do cliente e por isso se tornam inviáveis para a venda. E pelo fato de não perderem seu valor nutricional, eles são recolhidos pelo banco nas empresas parceiras e distribuídos a 26 instituições cadastradas no CONSEA, que podem ser asilos, creches, instituições religiosas e casas de recuperação de dependentes químicos.
“Parece muito, mas ainda estamos longe de atingir um número ideal; estamos sempre em busca de mais parceiros nas doações e esperamos que este ano a gente possa atender ainda mais pessoas”, afirmou Marcelo de Almeida Fonseca, coordenador do banco. 
O tarefeiro do Centro Espírita União, Fraternidade e Amor (GEUFA), Miguel Ferreira da Silva disse que na última semana a entidade recebeu muitas batatas e abobrinhas verdes, o que contribuiu para fazer a refeição de cerca de 30 pessoas que almoçam durante a semana. “A ajuda do banco é muito importante pra nós que temos esse compromisso de oferecer almoço à população de rua, contamos com essa ajuda e de nossa parte, contribuímos com a carne, que também é necessária”, esclareceu.
O vice-prefeito e secretário municipal de Ação Comunitária Maycon Abrantes, que visitou o Banco de Alimentos esta semana, acompanhado dos representantes do CONSEA, Willian Ferreira e João Batista Santos, está animado com a possibilidade de novas adesões de empresas. “Tenho convicção de que, principalmente neste momento de crise, ninguém deseja o desperdício. O número de instituições que necessitam de nossa ajuda tem aumentado e muito. Faço aqui um apelo para que outros empresários procurem conhecer a proposta do Banco de Alimentos para que possam aderir a este projeto tão necessário para tantas famílias”, finalizou.
Supermercados ou distribuidores que queiram conhecer melhor o projeto devem entrar em contato com o Banco de Alimentos, que está situado no bairro Retiro. O telefone é o 3339-9186.