English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

terça-feira, julho 11, 2017

Exposição ‘Terras de Preto’ é aberta ao público no Memorial Zumbi


Fotos retratam a vida de pessoas nos quilombos de Valença e Quatis

Em comemoração pelo aniversário de Volta Redonda, o Memorial Zumbi dos Palmares, na Vila Santa Cecília está recebendo a exposição permanente ‘Terras de Preto’, do fotógrafo André Sodré. As fotos retratam as pessoas que viviam no quilombo de São José da Serra, em Valença e do quilombo de Santana, em Quatis. A expectativa é de um  público de até mil pessoas por dia.

“Estamos preparando o memorial para receber diversos eventos durante a comemoração do aniversário da cidade. E, sem dúvidas, essa exposição vai atrair o olhar de diversas pessoas. Estamos expondo algo que é marcante, não podemos deixar a população sem conhecer esse belo trabalho”, disse o coordenador Sid Soares .

Para André Sodré, ter suas fotografias expostas no Memorial é muito importante para retratar uma história. “Essas fotografias foram tiradas em 1998 e muitas pessoas já até faleceram. Ter fotos de pessoas assim é como retratar a tipologia dos quilombos, que foi o que consegui registrar e fiquei muito feliz. Fico feliz por essas fotografias voltarem a ser expostas, ainda mais no Memorial Zumbi”, disse Sodré.

O acervo de fotos foi doado pelo artista e para recuperar o arquivo, que foi danificado com o tempo, contou com a parceria do IFRJ – Instituo Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Para a secretária municipal de Cultura, Márcia Fernandes, esse trabalho foi imprescindível para o retorno da exposição.

“A parceria com IFRJ para recuperar o arquivo doado pelo artista foi imprescindível. É um trabalho relevante para nossa cidade. Não poderíamos deixar se perder pelo tempo e, principalmente, não deixaríamos voltar a expor essas fotografias ao público”, afirmou Márcia.