English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sexta-feira, abril 29, 2016

Sua visão do fracasso pode ter um terrível impacto na vida de seus filhos: estudo

De acordo com um estudo publicado na revista Association for Psychological Science, as crenças dos pais sobre o fracasso funcionam como uma guia para como seus filhos pensam sobre sua própria inteligência.
A pesquisa indica que as respostas dos pais ao fracasso de seus filhos, e não suas crenças sobre a inteligência, acabam sendo em última análise mais absorvidas pelas crianças.
“A crença das crianças sobre se a sua inteligência é fixa ou pode crescer pode ter um grande impacto sobre a sua realização e motivação”, explica o cientista psicológico Kyla Haimovitz, da Universidade de Stanford (EUA), principal autor do estudo. “Nossos resultados mostram que os pais podem endossar uma mentalidade de crescimento, mas não podem passá-la para seus filhos a menos que tenham uma reação positiva e construtiva sobre os fracassos dos mesmos”.

A hipótese

Haimovitz e sua colega pesquisadora de psicologia Carol Dweck, pioneira no estudo sobre mentalidades, tinham uma hipótese de que a mentalidade dos pais sobre inteligência podia não ser transferida para os seus filhos, porque não é facilmente observável.
O que as crianças podem observar, eles especularam, é a forma como os pais reagem ao fracasso.
Haimovitz e Dweck supuseram que os pais transmitem seus pontos de vista sobre se o fracasso é positivo ou negativo através de suas respostas às dificuldades de seus filhos.
Por exemplo, pais que normalmente mostram ansiedade e preocupação quando seus filhos tiram uma nota ruim podem transmitir a crença de que a inteligência é fixa. Já pais que se concentram em aprender a partir da nota ruim sinalizam aos seus filhos que a inteligência pode ser construída através do aperfeiçoamento.

O estudo

Em um estudo, os pesquisadores pediram a 73 pares de pais e filhos para responder uma série de perguntas destinadas a entender suas mentalidades.
Os pais classificaram sua concordância com seis declarações relacionadas ao fracasso (por exemplo, “fracasso facilita a aprendizagem e o crescimento”) e quatro declarações relacionadas com a inteligência (por exemplo, “você pode aprender coisas novas, mas você não pode realmente mudar quão inteligente você é”).
As crianças, todas estudantes da 4º e 5º séries, responderam a declarações semelhantes sobre inteligência.
Como esperado, não houve associação entre as crenças dos pais sobre a inteligência e as crenças de seus filhos sobre a inteligência. No entanto, as atitudes dos pais em relação aos fracassos estavam relacionadas com a forma como os seus filhos pensavam a inteligência.

Fracasso e inteligência

Os pais que tendiam a ver o fracasso como um evento negativo tinham filhos mais propensos a acreditar que a inteligência é fixa.
Os pesquisadores descobriram que as crenças dos pais sobre o fracasso pareciam traduzir-se em suas reações ao fracasso dos filhos.
Os resultados de dois estudos online com um total de quase 300 participantes mostraram que os pais que adotaram uma postura mais negativa em relação à falha eram mais propensos a reagir a reprovação hipotética da sua criança com preocupações sobre a falta de habilidade dela.
Ao mesmo tempo, esses pais eram menos propensos a mostrar apoio para aprendizagem e aperfeiçoamento da criança. Suas reações ao fracasso não estavam ligadas, no entanto, com as suas crenças sobre inteligência.
Como ensinar seu filho
Mais importante ainda, dados adicionais indicaram que as crianças foram muito sintonizadas com os sentimentos dos seus pais sobre o fracasso.
“É importante para pais, educadores e treinadores saber que sua mentalidade de crescimento pode não ser passada para as crianças, a menos que eles usem práticas focadas em aprendizagem, como discutir o que seus filhos poderiam aprender com um fracasso e como poderiam melhorar no futuro”, explica Haimovitz.
De acordo com os pesquisadores, estas descobertas podem ser aproveitadas para desenvolver maneiras de mostrar aos pais como eles podem responder aos reveses de seus filhos de forma motivadora, em vez de desencorajadora. [MedicalXpress]