English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sexta-feira, abril 22, 2016

Unicef afirma que desigualdade entre crianças aumentou nos países ricos

Relatório da agência da ONU mostrou que problema ocorre em relação à renda, saúde, educação e bem-estar; nações mais desenvolvidas estão fracassando na ajuda aos menores mais pobres.
A desigualdade entre crianças nos países ricos aumentou. Foto: Unicef
Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.
O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, afirmou que as desigualdades entre as crianças estão aumentando nos países mais ricos.
O relatório "Justiça para Crianças: Tabela da Desigualdade no Bem-Estar das Crianças nos Países Ricos" fornece uma análise detalhada do problema em 41 nações da União Europeia e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Ocde.
Fracassando
O documento diz que numa comparação geral, Canadá, França, Islândia, Itália e Suécia, que antes ocupavam posições no meio e no topo da tabela, agora estão entre os últimos.
Segundo o Unicef, os países ricos estão fracassando na ajuda às crianças que estão entre os 10% mais pobres da sociedade em relação à renda e à saúde.
A Dinamarca ocupa a primeira posição da lista com pouca desigualdade entre os fatores analisados, que além da renda e da saúde incluem educação e bem-estar. Israel e Turquia estão nas duas últimas colocações.
Renda
No caso da renda, as maiores desigualdades, de pelo menos cinco pontos percentuais, aconteceram em sete países, entre eles, Portugal, Espanha, Grécia e Itália.
Estados Unidos e Japão também aparecem com mau desempenho nesta área.
Em relação à educação, os piores números foram registrados na Finlândia e Suécia. Já os maiores avanços ocorreram no Chile, México, Alemanha e República Tcheca.
A desigualdade aumentou na questão da saúde na maioria das nações e o bem-estar, numa escala de "zero a 10" registrou entre três e oito pontos no geral.
Solução
Para solucionar o problema, o Unicef recomenda que os países adotem medidas para proteger a renda das famílias mais pobres.
O foco deve estar na melhoria da educação e na promoção e apoio a estilos de vida saudáveis para crianças.
Além disso, a agência da ONU disse que os governos devem ter a igualdade no centro da agenda de bem-estar das crianças e as opiniões dos menores devem ser incluídas no processo de coleta de dados