A UNE ressalta que se faz urgente a defesa da educação pública, uma reforma eleitoral por meio de uma reforma política democrática e popular, e a resistência aos desmandos governo golpista.
Carina Vitral, presidenta da UNE. Foto: Reprodução Facebook
Carina Vitral, presidenta da UNE. Foto: Reprodução Facebook
Em protesto contra a PEC 241 e os cortes na educação adotados pelo presidente Michel Temer, a União Nacional dos Estudantes (UNE) convocou para o próximo dia 19 de outubro todos os estudantes do Brasil para uma “Paralisação Nacional Contra os Cortes no FIES”. O atraso do governo federal afeta na vida acadêmica de mais de 2 milhões de estudantes no Brasil.  
Os secundaristas ocupam 287 escolas no Paraná. O número foi confirmado pela presidente da Ubes (União Brasileira de Estudantes Secundaristas), Camila Lanes, na última quinta-feira (13). Estudantes ocupam ainda três campi da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e a Universidade Federal da Fronteira Sul, em Laranjeiras do Sul. A Ubes divulgou que no restante do País há 251 escolas ocupadas.
No dia 24 do mesmo mês também acontecem atos ao redor do Brasil no “Dia Nacional de Luta do Movimento Educacional”. Segundo a UNE, o ato do dia 24 deve ser um “esquenta” para uma greve geral em todos os Estados convocada pelas centrais sindicais no dia 11 de novembro.
A presidenta da UNE, Carina Vitral, destacou uma conjuntura muito difícil. “São três graves retrocessos como a PEC 241, em que um dos setores mais prejudicados nos próximos 20 anos será a educação, junto com isso a MP de mudança do ensino médio sem qualquer diálogo com as entidades e o atraso dos repasses do Fies. Estas serão nossas prioridades de luta junto com a reivindicação dos recursos do petróleo para o setor”, afirmou.

A UNE ressalta que se faz urgente a defesa da educação pública, uma reforma eleitoral por meio de uma reforma política democrática e popular, e a resistência aos desmandos governo golpista.
Link curto: http://brasileiros.com.br/vicj8