English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

sexta-feira, dezembro 16, 2016

Da presença em grupos estudantis para a prefeitura

O A VOZ DA CIDADE dá prosseguimento hoje a uma série de entrevistas com os prefeitos eleitos da região. Hoje é a vez do eleito de Barra Mansa, Rodrigo Drable. A política sempre esteve presente na vida de Rodrigo. Neto de Marcelo Drable, ex-prefeito de Barra Mansa, e Aluízio Costa, ex-prefeito de Volta Redonda, contou que além dessa inspiração familiar, participou desde cedo de políticas estudantis. O resultado foi sua eleição aos 22 anos como vereador, em 2004; uma expressiva votação (2.907) em 2008, mas por conta de legenda não conseguiu ser eleito; eleição em 2012 na Câmara dos Vereadores, sendo o mais votado da cidade, com 2.923 votos. Em outubro deste ano, foi eleito prefeito com 39.169 votos, com 35 anos.
Dois fatores o moveram a ingressar na campanha de prefeito deste ano. O primeiro é que toda carreira necessita de uma evolução e, segundo ele, chegou o momento em que ser vereador não era mais viável para fazer o que se preparou ao longo de sua vida, que era solucionar os problemas da cidade. A atual situação de Barra Mansa foi outro motivo que fez Rodrigo Drable se candidatar. “O momento é muito difícil, será um grande desafio que estou muito disposto a enfrentar, pois estou bem preparado. O momento nacional é terrível, mas temos a oportunidade de passar a limpo tudo que há de errado no país. Acho que a Lava Jato está sendo importantíssima e penso que os novos gestores terão a oportunidade de fazer tudo diferente com o aval popular, podendo atender os mais duros anseios da sociedade”, declarou o prefeito eleito.
MARCAS DE SUA GESTÃO
A primeira frase de Rodrigo Drable ao ser questionado qual será a marca de seu governo, que se inicia em 1º de janeiro de 2017, disse que colocará as coisas em ordem, fazendo o necessário, sem preocupações com interesses individuais. “O grande desafio será fazer a saúde funcionar, dinamizar o atendimento público dando qualidade e baixando o custo, porque um gestor que não fizer isso está fadado ao fracasso”, frisou.
Cortes serão comuns quando o prefeito eleito assumir. Disse que é a mesma coisa que fazemos em nossa casa quando existe uma crise, pois se o supérfluo não for descartado, não é possível oferecer o essencial. Rodrigo Drable avisou que diminuirá o número de secretarias, de funcionários, moralização do uso dos equipamentos públicos, redução de gastos pessoais, como o consumo de luz, por exemplo, utilizando as várias tecnologias existentes para isso.
Questionado sobre o funcionalismo, disse que pretende valorizar os servidores de verdade. Lembrou que essa palavra não passa apenas pelo aumento salarial, cobrando do funcionário uma atuação condizente com a valorização que ele merece. A transparência em suas ações será outra marca de seu governo. Drable afirmou que tudo realizado terá um nível de transparência que incomodará quem gosta do “jeitinho brasileiro”. “Acabou a sacanagem”, disse, completando que as instituições terão importante papel em seu governo. Ele contou que quer ser fiscalizado. “Quem é honesto não tem que ter medo de fiscalização”, destacou.
Quanto a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), muito discutido pela educação, o prefeito eleito disse ser favorável a implementação. “Vemos por todo país manifestações pelo não pagamento de salários existentes. Minha prioridade será pagar não só os professores, mas todo o funcionalismo garantindo o retorno do atendimento público. E num segundo momento, os avanços para todas as categorias”, avisou o prefeito eleito.
A SITUAÇÃO ATUAL DE BARRA MANSA
Durante a entrevista, Rodrigo Drable foi questionado sobre a situação que espera encontrar o caixa da prefeitura, até mesmo porque está fazendo uma transição com o atual governo de Jonas Marins (PCdoB). De acordo com Drable, as informações recebidas não são suficientes para conhecer o tamanho real do problema. Isso, segundo ele, será possível com 15 dias dentro da prefeitura. Porém, com tudo que está acontecendo, duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) fechadas, dívida grande com fornecedores dos serviços essenciais, como saúde e educação, buracos em ruas, falta de iluminação nas mesmas, espera que a situação não será nada fácil. “O desafio não é só meu, mas de toda a sociedade”, completou.
Cortar custos significa numa prefeitura, estudar o que pode ser reduzido. E para Rodrigo, as secretarias, atuais 23, serão diminuídas. Ainda não há um número certo. Afirmou que serão ainda menos cargos comissionados. Atualmente são cerca de 500. E a remuneração dos secretários, por exemplo, será em menor valor. Por um tempo, alguns ganharão salário de CC1 (cerca de R$ 3mil) e não o valor atual do subsídio pago para secretários (cerca de R$ 7 mil). “Isso não vai causar a redução suficiente, mas cortes são necessários. A realidade é que o país mudou. Se você não mudar o modo de viver e atuar dentro de uma crise, não dá para sair dela”, argumentou Drable, completando que espera que ter resolvido as situações mais graves até o fim do primeiro ano.
SECRETARIADO
O prefeito eleito não informou os nomes que comporão sua equipe de governo. Disse que prefere se pronunciar apenas quando estiver empossado. Porém, o jornal recebeu algumas informações de uma fonte de alguns nomes do novo governo: Sérgio Gomes, na Secretaria de Saúde, Ruth Coutinho, na Secretaria de Ação Social; engenheiro Fernando Balduíno, na Susesp; Marcelo Bravo, na Secretaria de Cultura; César Catapreta, na Secretaria de Administração; Jefferson Mamede, na Administração.
DIPLOMAÇÃO E POSSE
Rodrigo Drable, a vice-prefeita eleita, Fátima Lima, e os 19 vereadores da nova legislatura 2017-2020 serão diplomados no dia 19 deste mês, às 15 horas, no Fórum. A posse está marcada para o dia 1º de janeiro de 2017, às 18h30min, no Palácio Barão de Guapi, no Centro. Rodrigo Drable contou que o momento da Prefeitura e da Câmara não permite gastos com qualquer tipo de festividade e que o tradicional baile de posse arcado pelos poderes não vai acontecer. “A Apae idealizou uma festa para o dia 1º, onde cada pessoa pode comprar um ingresso para confraternizar e celebrar o ano de 2017, ainda ajudando a instituição. O evento será no Clube Municipal”, informou Drable. http://avozdacidade.com/site/noticias/politica/55558/