English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
ESTOU AO VIVO TODOS OS SÁBADOS DE 6:00H DA MANHÃ ÁS 9:00H DA MANHÃ NA RÁDIO LÍDER 90,1 FM.

VOCÊ É MEU CONVIDADO, ENTRE EM CONTATO PARA PARTICIPAR GRATUITAMENTE DO PROGRAMA ZAPPEANDO. DIVULGUE O TRABALHO QUE VOCÊ REALIZA EM SUA IGREJA, BAIRRO OU ENTIDADE REPRESENTATIVA! CHAMAR NO ZAP (24) 9 .9967-2456

terça-feira, março 28, 2017

Volta Redonda tem queda de mais de 95% nas notificações de dengue


Relatório, que compara janeiro, fevereiro e março, mostra 2.454 registros em 2016 contra 117 neste ano; informações para zika apontam 312 contra quatro

De acordo com os números registrados pela Vigilância Epidemiológica da secretaria de saúde de Volta Redonda, o momento é de tranqüilidade em relação à dengue, zika e chikungunya no município. Em comparação ao ano passado os três primeiros meses de 2017 registraram menos de 5% de notificações de dengue. De janeiro até o dia 23 de março de 2016 havia 2.454 notificações feitas pelo município, neste ano, apenas 117 notificações foram realizadas.

“Com esses resultados, e se levarmos em consideração os números do ano passado, podemos acreditar que vamos passar sem problemas pelo período de incidência da dengue, zika e chikungunya. Pois, dos 3.837 casos notificados de 2016, 3.644 foram registrados até o mês de maio”, lembrou a secretária de Saúde de Volta Redonda, Márcia Cury.  

Quanto as notificações de zika, Volta Redonda também registrou uma queda muito acentuada se comparados os três primeiros meses dos dois últimos anos. Em 2016 foram registrados 312 casos com 20 confirmações e neste ano quatro notificações sem nenhuma confirmação até o momento.

Os casos de chikungunya se mantiveram quase equivalentes com cinco notificações no ano passado contra sete para este ano. “Apesar do momento tranquilo quanto às notificações e casos de dengue, zika e chikungunya no município, as ações de combate e controle da proliferação do Aedes aegypti não diminuem. O trabalho da Vigilância Ambiental continua grande para que os números da epidemiologia mantenham-se baixos”, garantiu a secretária.

O município ainda apresentou médio risco no último LIRAa (Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti) concluído nesta semana, o que demanda continuidade do estado de alerta, que começa em outubro e vai até o início de maio.